Resistência antimicrobiana: uso abusivo e irracional

Por que o uso de racional de antimicrobianos é tão importante?  

 

Autora: Franciele Laís Dias Araújo.

 

Os antibióticos são compostos naturais ou sintéticos utilizados para tratar as infecções bacterianas. Podem ser classificados como:

  • Bacteriostáticos: quando são capazes de inibir o crescimento bacteriano,
  • Bactericidas: quando ocasionam a lise (ou morte) das bactérias.

A utilização dos antimicrobianos tem como objetivo eliminar ou diminuir organismos patogênicos, sem causar danos a microbiota normal. As bactérias são organismos unicelulares, foram identificadas em 1670 por Leeuwenhoek.  Em 1928, Alexander Fleming notou que algumas bactérias não cresciam na presença de determinados fungos, e a partir daí foi desenvolvida a pesquisa que originou a descoberta da penicilina, caracterizada como agente antibiótico em 1929 e integrada como agente terapêutico em 1940.

Responsáveis pelo controle e cura das doenças infecciosas, o uso indevido dos antibióticos tem acarretado o surgimento de resistência bacterina, a qual passou a ser um problema de saúde pública grave, com consequências diretas e indiretas. Os antibióticos mais utilizados estão se tornando menos eficazes, prolongando o tempo de doença, a permanência de pacientes no âmbito hospitalar com aumento nas taxas de mortalidade.  O uso incorreto desses medicamentos por tempo indeterminado, sem recomendações e com obtenção sem receita médica provoca prejuízo aos indivíduos, que consequentemente podem ter uma cura incompleta, e futuramente adoecer de forma mais grave.

Há estimativas que até o ano de 2050, se não forem tomadas precauções para controlar os avanços da resistência aos antimicrobianos, uma pessoa morrerá a cada três segundos em consequência desse agravo. Devido a esse cenário, a Organização Mundial da Saúde (OMS) criou em 2015 um Plano de Ação Global em Resistência a Antimicrobianos, que tem como objetivo melhorar a conscientização e a compreensão a respeito da resistência aos antibióticos por meio da comunicação, conscientização e formação efetivas. Além disso, é necessário reforçar a base científica por meio da vigilância e da pesquisa, reduzir as infecções por meio de medidas de saneamento e higiene, utilizar racionalmente os medicamentos antimicrobianos na saúde humana, animal e aumentar os investimentos em novos medicamentos, diagnósticos e vacinas.

Recentemente, foi elaborado um projeto de Lei de autoria do senador Guaracy Silveira (PSL/TO) que propõe dispensar a necessidade da prescrição médica para medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, isoladas ou em associação. Utilizou-se como justificativa a necessidade de amenizar a dificuldade enfrentada pelas pessoas mais pobres desse país, as classes C, D e E – que representam quase 80% da população – no momento de comprar um antibiótico para tratar de doenças simples.

Em 2018, os dados da OMS revelaram que 500 mil indivíduos de 22 países de alta e de baixa renda apresentavam suspeita de infecção por bactérias resistentes a antibióticos. A penicilina utilizada por décadas em todo mundo está dentre esses medicamentos. As bactérias resistentes mais comumente relatadas foram Escherichia coliKlebsiella pneumoniaeStaphylococcus aureus e Streptococcus pneumoniae, seguidas da Salmonella sppDevido a isso, é de grande importância o uso consciente dos antibióticos, considerando também que as mutações bacterianas estão cada vez mais recorrentes.

Atualmente, não há outras formas estabelecidas de tratamento para as infeções. Embora haja estudos em curso que demonstram que os bacteriófagos, vírus que atacam e matam as bactérias, podem ser uma alternativa viável, já que esses não atacam as células humanas. De acordo com estudos, pode-se utilizar fagos que atinjam determinados tipos de bactérias, preservando a microbiota intestinal. Com a possível resistência aos antibióticos, a terapia com fagos se tornará uma alternativa futura para o tratamento das infecções. No entanto, enquanto outras formas de combater infecções não são possíveis, é indispensável a orientação correta para uso dos antibióticos.

O Portal Una-SUS disponibilizou o curso de atualização Promoção do uso racional de medicamentos na Atenção Básica, com o objetivo orientar os profissionais da Atenção Básica para que possam promover o Uso Racional de Medicamentos, com foco em evidências científicas e estratégias para identificar e intervir na adesão ao tratamento. As inscrições estão disponíveis até 30/11/2019 no link: https://www.unasus.gov.br/cursos/curso/45322.


Outras Matérias

Promova a sua publicação cientifica!

Consegui publicar um artigo científico. E agora? Autor: Flavia Zanotto Há muita pesquisa publicada e disponível e isso dificulta que […]

Saude em geral 24 de junho de 2019

Interação entre medicamentos

O que é e como acontece a Interação Medicamentosa? Entenda neste vídeo de 4 minutos como acontece a interação medicamentosa, […]

Saude em geral 19 de junho de 2019

Reiki: Uma das Práticas Integrativas e Complementares no SUS

O que é Reiki e como este recurso terapêutico pode ajudar na promoção da saúde?   Autora: Tatiana Fernandes   […]

Saude em geral 16 de junho de 2019

Resistência antimicrobiana: uso abusivo e irracional

Por que o uso de racional de antimicrobianos é tão importante?     Autora: Franciele Laís Dias Araújo.   Os […]

Saude em geral 7 de junho de 2019