Diretrizes para redação e avaliação de Ar …

Você conhece as diretrizes para redação de artigos científicos?

Autor: Estela Maia Bellini Pannuti

De acordo com a Resolução 466 de 12 de dezembro de 2012, que são as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos no Brasil, os resultados de qualquer pesquisa clínica devem ser encaminhados para publicação.

Uma das formas mais comuns de tornar os resultados públicos no meio científico é publicá-los em revistas científicas. É importante que estas publicações relatem o estudo de maneira completa, detalhada e transparente. Pesquisas mal relatadas dificultam o entendimento do texto pelo leitor, e impedem que outros pesquisadores possam reproduzir a pesquisa de maneira independente. Para ajudar os pesquisadores a relatarem seus estudos, sem esquecer de nenhum detalhe, foram desenvolvidas diretrizes (“reporting guidelines”). Como existem diversos tipos de estudo, há diferentes tipos de diretrizes. Cada uma foi desenvolvida por um grupo de pesquisadores, editores, estatísticos, entre outros profissionais. Estas diretrizes são apresentadas como check-lists, e tem como objetivo listar as características e tópicos mínimos que devem ser reportados na publicação.

Algumas destas diretrizes e o tipo de estudo para o qual foram desenvolvidas estão relacionadas abaixo:

CONSORT (Consolidated Standards of Reporting Trials) – Ensaios clínicos randomizados.
MOOSE (Meta-analysis of Observational Studies in Epidemiology) – Meta-análises de estudos observacionais
PRISMA (Preferred Reporting Items for Systematic reviews and Meta-Analyse) – Surgiu de uma revisão e atualização do QUOROM – (QUality Of Reporting Of Metaanalyses), e a principal razão da mudança de nome foi devido à necessidade de se diferenciar Revisão Sistemática de metanálise.
STARD (Standards for Reporting of Diagnostic Accuracy Studies) – estudos de acurácia diagnóstica.
STROBE (STrengthening the Reporting of OBservational studies in Epidemiology) – Estudos observacionais (transversais, caso-controle e coorte)
CARE (CAse REport) – relatos de caso

Estas diretrizes deveriam ser contempladas logo no delineamento do estudo com a finalidade de se elaborar um protocolo contemplando os pontos que certamente serão checados na avaliação do artigo por um revisor. Caso isso não seja feito durante o protocolo, há o risco de o pesquisador não ter planejado alguma etapa importante (ex: cálculo do tamanho da amostra), não sendo mais possível voltar atrás, deixando lacunas na condução de sua pesquisa.

Para saber mais:
http://www.consort-statement.org/
https://www.strobe-statement.org/index.php?id=strobe-home
https://bmjopen.bmj.com/content/bmjopen/6/11/e012799.full.pdf
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_metodologicas_elaboracao_sistematica
.pdf


Outras Matérias

O que faz o Monitor de Pesquisa Clínica?

O que é necessário para ser um bom monitor de pesquisa clínica?   Autora: Renata Bendit   O monitor de […]

Pesquisa Clínica 12 de outubro de 2019

Os significados das cores dos meses nas campa …

Qual a cor de cada mês do ano?   Autora: Estela Maia Bellini Pannuti   A campanha do outubro rosa, […]

Saude em geral 7 de outubro de 2019

Você sabe o que faz o Medical Science Liaiso …

Afinal, quais são as funções e atividades de trabalho do Medical Science Liaison? Você sabe quais são as funções do […]

Saude em geral 4 de outubro de 2019

5 maneiras de prevenir pedras nos rins

Como selecionar os alimentos para evitar a formação de cálculos renais?   Autora: Ana Tavela   Se você já teve […]

Saude em geral 3 de outubro de 2019